Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Estudantes se mobilizam em defesa do orçamento do IFMS

Defesa da Educação

Estudantes se mobilizam em defesa do orçamento do IFMS

Mobilizações organizadas pelos grêmios estudantis foram realizadas nos dez municípios onde a instituição tem campus nesta quarta-feira, 15.
por Paulo Gomes publicado: 15/05/2019 16h46 última modificação: 15/05/2019 17h22
  • Em Dourados, estudantes e servidores fizeram uma marcha pela educação - Fotos: Campus Dourados

  • Em Dourados, estudantes e servidores fizeram uma marcha pela educação - Fotos: Campus Dourados

  • Em Dourados, estudantes e servidores fizeram uma marcha pela educação - Fotos: Campus Dourados

  • Estudantes e servidores de Naviraí mobilizados pela educação - Fotos: Campus Naviraí

  • Estudantes e servidores de Naviraí mobilizados pela educação - Fotos: Campus Naviraí

  • Estudantes e servidores de Naviraí mobilizados pela educação - Fotos: Campus Naviraí

  • Em Jardim, estudantes também se mobilizaram pelo orçamento do IFMS - Fotos: Campus Jardim

  • Em Corumbá, a mobilização reuniu estudantes e servidores do IFMS - Fotos: Campus Corumbá

  • Em Corumbá, a mobilização reuniu estudantes e servidores do IFMS - Fotos: Campus Corumbá

  • Em Nova Andradina, a mobilização foi na Praça das Águas - Fotos: Campus Nova Andradina

  • Em Nova Andradina, a mobilização foi na Praça das Águas - Fotos: Campus Nova Andradina

  • Na capital, estudantes e servidores se concentraram na Av. Duque de Caxias pela manhã - Fotos: Ascom/IFMS

  • Na capital, estudantes e servidores se concentraram na Av. Duque de Caxias pela manhã - Fotos: Ascom/IFMS

  • Na capital, estudantes e servidores se concentraram na Av. Duque de Caxias pela manhã - Fotos: Ascom/IFMS

Estudantes do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) participaram nesta quarta-feira, 15, de mobilizações em defesa da educação profissional, científica e tecnológica. Foram realizadas ações em Aquidauana, Campo Grande, Corumbá, Coxim, Dourados, Jardim, Naviraí, Nova Andradina, Ponta Porã e Três Lagoas.

As mobilizações, organizadas pelos grêmios estudantis, buscaram chamar a atenção da sociedade para o bloqueio de crédito orçamentário anunciado pelo Governo Federal no dia 30 de abril.

“Ao organizarem um movimento que tem como objetivo a manutenção das atividades e do funcionamento dos campi, com ações de ensino, pesquisa e extensão, os estudantes demonstram preocupação com o orçamento  e com a excelência no ensino oferecido pelo IFMS”, pontuou o reitor Luiz Simão.

Na capital, o reitor do IFMS, Luiz Simão Staszczak, uniu-se a estudantes e servidores na concentração realizada na avenida Duque de Caxias, próximo ao campus da instituição.

“Ao organizarem um movimento que tem como objetivo a manutenção das atividades e do funcionamento dos campi do IFMS, com ações de ensino, pesquisa e extensão, os estudantes demonstram preocupação com o orçamento, que sofreu um corte de aproximadamente 42%, e com a excelência no ensino oferecido pela instituição”, pontuou o reitor.

O reitor ressaltou que, mesmo com o bloqueio, o planejamento do IFMS para o primeiro semestre está mantido. No final de junho, será feita uma nova avaliação para saber como será o cenário no segundo semestre.

O representante do Grêmio Estudantil do Campus Campo Grande, Gabriel Rocha Jardim, reforçou que a mobilização busca mostrar à sociedade a importância das escolas técnicas para a formação profissional. Para isso, uma mostra de pesquisas desenvolvidas por estudantes está sendo realizada nesta tarde, na Praça Ary Coelho, no centro da capital.

“É um movimento a favor do Instituto Federal. Somos uma instituição jovem, com um novo estilo de educação no país e vamos mostrar o que a gente produz para conscientizar as pessoas sobre a importância que o IFMS tem para a sociedade. O ensino médio produzindo ciência também é importante para o Brasil”, ressaltou Gabriel.

Outros municípios - Em Nova Andradina, a mobilização foi na Praça das Águas. Depois de uma caminhada pelas ruas da cidade, estudantes e servidores levantaram faixas e cartazes e expuseram pesquisas desenvolvidas no IFMS.

João Eduardo Santos, aluno do curso técnico em Informática, fez questão de participar da ação. Além de ser premiado em feiras científicas locais e regionais, o estudante participou recentemente da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace). Toda essa experiência foi vivenciada porque o jovem faz iniciação científica no IFMS.

“É um movimento a favor do IFMS. Temos um novo estilo de educação no país e vamos mostrar o que a gente produz para conscientizar as pessoas sobre a importância que o Instituto Federal tem para a sociedade”, ressaltou o representante do Grêmio em Campo Grande, Gabriel Rocha.

“É uma oportunidade que temos de mostrar tudo o que tem sido produzido na instituição, fazendo com que a população saiba que o conhecimento cientifico está mais perto do que muitas vezes se imagina. E o quanto seremos prejudicados pelo bloqueio de crédito orçamentário", destacou João Eduardo.

As atividades seguem à tarde, com intervenções artísticas e uma caminhada pelo centro da cidade.

Em Naviraí, estudantes e servidores "abraçaram" o prédio do IFMS, ação semelhante a que ocorreu na segunda-feira, 13, nos demais cidades onde a instituição tem campus.

Nos outros municípios, as ações desta quarta-feira, 15, foram marcadas por concentrações, marchas, rodas de conversa, "aulões" sobre o bloqueio de crédito orçamentário e a história da educação profissional no Brasil e por apresentações de trabalhos científicos.

Bloqueio de Crédito - De acordo com o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), do qual o IFMS faz parte, cerca de R$ 900 milhões estão bloqueados, o que representa de 37% a 42% dos recursos de custeio previstos para o funcionamento das unidades.

No caso do IFMS, dos R$ 40 milhões previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2019, quase R$ 17 milhões estão bloqueados. O valor é referente às despesas discricionárias, o que inclui investimentos em obras e aquisição de equipamentos, além do custeio para a manutenção.