Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Pesquisas da área de Alimentos são finalistas na maior feira do país

Febrace 2019

Pesquisas da área de Alimentos são finalistas na maior feira do país

IFMS participa da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), entre os dias 19 e 21 de março, em São Paulo, com 14 projetos de pesquisa.
por Osvaldo Sato publicado: 15/03/2019 10h37 última modificação: 15/03/2019 15h18

Cada refeição posta à mesa pode conter muito mais ciência do que se imagina. Essa é uma das constatações ao se conhecer pesquisas desenvolvidas no Campus Coxim do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS). Dois projetos estão classificados para a edição 2019 da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que será realizada entre 19 e 21 de março, em São Paulo.

Dentre os objetivos dos trabalhos, está o de investigar o potencial de alimentos que, na maioria das vezes, é desconhecido entre a população.

É o que demonstra o projeto desenvolvido pelo estudante Vinicius Carneiro. Com o “Estudo das propriedades nutricionais e antioxidantes do fruto de ivapovó (melicoccus lepidopetalus)", são avaliadas as propriedades da fruta, típica do Pantanal, mas pouco conhecida em áreas urbanas.

“O ivapovó é consumido pela população em nossa região, mas praticamente não há registros na literatura sobre suas características e potencialidades. Verificamos que ele possui importantes características antioxidantes”, destacou o estudante Vinicius.

Buscando um tema inédito, o estudante desenvolveu a pesquisa orientado pela professora Angela Kwiatkowski.

“O ivapovó é consumido pela população em nossa região, mas praticamente não há registros na literatura sobre suas características e potencialidades. Verificamos que ele possui importantes características antioxidantes, tanto na polpa como na semente”, destacou o estudante.

Confira no vídeo mais explicações sobre o projeto e as expectativas do Vinícius para a Febrace:

Outra pesquisa da área que será apresentada na Febrace é o “Uso da bioimpedância elétrica para avaliar a qualidade dos alimentos”, inicialmente desenvolvida pelos estudantes Paulo Melo, Sandy Pacheco e Sindy Dantas. Atualmente, apenas o primeiro segue no projeto, orientado pelo professor Davi Oliveira. 

“Minha expectativa para a Febrace é muito boa e confio no potencial do nosso projeto mas também estou animado com a possibilidade de participar de um evento científico deste porte, onde poderei conhecer mais sobre a pesquisa em geral, ressaltou o estudante Paulo”.

“Submetemos a banana à análise por três dias e verificamos que a resistência da fruta à corrente elétrica aumentava com o passar do tempo, considerando sua perda de água. Participar deste projeto foi muito bacana pois pude aprofundar muitos conceitos da Física, e me surpreendi ao conhecer como as diversas áreas do conhecimento podem se relacionar, como a de Física e a de Alimentos”, explicou o estudante.

As expectativas Paulo para a Febrace são grandes.

“Minha expectativa é muito boa e confio no potencial do nosso projeto, mas também estou animado com a possibilidade de participar de um evento científico deste porte, o maior do país, onde poderei conhecer mais sobre a pesquisa em geral”, ressaltou o estudante.

No vídeo abaixo, Paulo explica mais detalhes sobre o projeto:

A destacada atuação do Campus Coxim com pesquisas da área se deve à oferta do curso técnico integrado em Alimentos e, ainda, à possibilidade de verticalização na formação do estudante, com o curso superior de Tecnologia em Alimentos.

Potencial de insetos - Outra pesquisa de Coxim que será apresentada na Febrace 2019 é “Avaliação do potencial antibiótico de espécies de baratas periplaneta americana e gromphadorhina portentosam", das estudantes Gabriela Talevi, Meline Pinheiro e Samara Oliveira.

“Nossa hipótese é a de que baratas que vivem em ambientes poluídos possam criar resistência a microrganismos patogênicos”, explicou Gabriela.

Outros projetos desenvolvidos no campus já apresentaram as propriedades nutricionais do inseto e propuseram, ainda, diversas formas de preparo para consumo, como bolos e shakes. Agora, a barata está sendo estudada quanto ao potencial para inibir a presença de bactérias.

Também sob orientação da professora Angela Kwiatkowski, são pesquisadas duas espécies de baratas para um estudo comparativo. “Nossa hipótese é a de que baratas que vivem em ambientes poluídos possam criar resistência a microrganismos patogênicos”, explicou Gabriela.

O vídeo gravado pelas três estudantes traz mais informações sobre a pesquisa e sobre a expectativa para a Febrace:

Participação do IFMS -  Ao todo, 14 projetos do IFMS que serão apresentados na Febrace, que é considerada a maior feira de ciências para estudantes de nível médio no país.

A série de reportagens #partiuFebrace2019 mostra um pouco mais sobre os trabalhos. 

A primeira reportagem apresentou quatro pesquisas da área de tecnologia que podem ajudar pessoas, salvar vidas ou facilitar o trabalho de profissionais em diversas áreas.

A segunda mostrou trabalhos na área de inclusão, com temas como linguagens, preconceito e saberes indígenas.

Além dos projetos de pesquisa do IFMS, outros 11 de diversas instituições de ensino públicas e privadas irão representar Mato Grosso do Sul no evento.

Febrace Com 12 prêmios conquistados no ano passado, o IFMS passou a acumular 88 premiações em sete anos consecutivos de participação no evento.

A mostra brasileira de projetos pré-universitários reúne trabalhos de estudantes dos ensinos fundamental, médio e técnico de escolas públicas e privadas de todo o país.

O evento é realizado desde 2003 pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), com o objetivo de aproximar estudantes de nível médio da realidade das universidades, estimulando assim a pesquisa científica.

Além de premiar os melhores projetos, a Febrace credencia trabalhos para participação em eventos internacionais, como a Intel ISEF (Feira Internacional de Ciências e Engenharia), realizada anualmente nos Estados Unidos.

Mais informações estão disponíveis na página oficial da Febrace.